M.N.E.  -  SECRETARIA DE ESTADO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

Mapa do Site | Contactos | Sugestões  

Portal das Comunidades Portuguesas

 
 

República de ANGOLA


 

 

Última atualização: 2013-11-01
 
 
Nota importante
 
As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. Nem o Estado Português, nem as representações diplomáticas e consulares, poderão ser responsabilizadas pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes
 
 
Informação Geral
 
Clima
 
Clima tropical húmido na faixa costeira a Norte do rio Kwanza - verões quentes e húmidos, invernos amenos e secos. No Planalto as altitudes podem atingir 2000 metros (1861 no Lubango) e as temperaturas mínimas, no Inverno, descer abaixo de 10º. A Sul há áreas com clima mediterrânico ou mesmo desértico no Namibe.  
 
Língua
 
A língua oficial e veicular é o português.
 
Moeda local /Sistema bancário
 
A moeda local é o Kwanza. Poderá obter a respectiva taxa de câmbio na seguinte página internet: http://www.bna.ao.
 
O sistema bancário tem vindo a desenvolver-se ao longo dos últimos anos, estando no entanto sobretudo presente nas grandes cidades. É já possível utilizar praticamente todo o tipo de serviços bancários, persistindo no entanto dificuldades pontuais, muitas vezes resultantes de falhas de sistema.
 
A utilização de cartões, principalmente de débito (vulgo multicaixa), está já generalizada. Pode ainda recorrer-se a outros serviços, como o cartão de crédito ou o chamado visa pré-pago (disponibilizado já por algumas instituições bancárias com nomenclaturas diferentes). Este último permite a utilização em todos os países onde exista a rede Visa, diferenciando-se do cartão pós-pago pela obrigatoriedade de se proceder a um depósito prévio na conta a que está associado em Angola e de beneficiar apenas desse montante no estrangeiro.
 
Previamente à partida é aconselhável obter a confirmação, junto da instituição bancária emissora, relativamente à possibilidade de utilização do seu cartão em Angola.
 
As redes multicaixa permitem ainda levantamentos aos portadores de cartões visa emitidos fora do país, devendo para o efeito recorrer às que possuem indicação de rede Visa.
 
Relativamente ao montante de divisas cuja saída para o exterior do país é admissível, sugere-se consulta do aviso nº 01/2012 de 16 de Janeiro, publicado pelo Banco Nacional de Angola, que determina que:
 
- os cidadãos considerados residentes cambiais em Angola (pessoas singulares que tenham residência habitual no país – sendo angolanos que vivam em Angola ou cidadãos estrangeiros possuidores de cartão de residência em Angola; nacionais diplomatas, representantes consulares ou equiparados em exercício de funções no estrangeiro bem como os membros de suas famílias; nacionais angolanos cuja ausência do país por período superior a noventa dias e inferior a um ano seja originada por motivos de saúde, estudos ou exercício de funções públicas ou privadas que impliquem a residência no estrangeiro) com idade igual ou superior a 18 anos podem, livremente, transportar consigo à saída do território nacional moeda estrangeira cujo montante não ultrapasse o equivalente a 15 mil dólares americanos ou o seu equivalente em outra moeda estrangeira. O limite para os cidadãos menores de 18 anos será, neste caso, de 5 mil dólares ou o seu equivalente em outra moeda estrangeira;
 
- os cidadãos considerados não-residentes cambiais em Angola (pessoas singulares que tenham residência habitual no estrangeiro; cidadãos nacionais angolanos que emigrarem ou se ausentarem do país por um período superior a um ano; diplomatas, representantes consulares ou equiparados em exercício de funções no território nacional, bem como os membros das suas famílias) podem, livremente, transportar consigo à entrada e saída do território nacional moeda estrangeira cujo montante não ultrapasse o equivalente a 10 mil dólares. O limite para os cidadãos menores de 18 anos, neste caso, é de 3 mil dólares ou o seu equivalente em outra moeda estrangeira.
 
Em ambos os casos é permitida a saída e entrada no país com moeda nacional até ao montante de 50 mil kwanzas, não sendo este valor elegível para o apuramento dos limites de entrada e saída de moeda estrangeira definidos.
 
Para nacionais e estrangeiros que tenham em sua posse valores superiores aos limites estabelecidos no Aviso nº 01/12, de 16 de Janeiro, sem a devida autorização do Banco Nacional de Angola, informa-se que será apreendido todo o valor transportado, nos termos do nº 2 do artigo 20º e do artigo 23º, ambos da Lei Cambial.
 
Sugere-se ainda a consulta do Aviso nº 01/2012 de 16 de Janeiro do Banco Nacional de Angola (http://www.bna.ao/uploads/%7B63bb960d-1064-4817-bfd1-63e2e33fb74c%7D.pdf), para mais informações sobre a aplicação da “Declaração de entrada e saída de numerário em moeda estrangeira”, a qual permite o reenvio de moeda estrangeira mediante a sua exibição às autoridades alfandegárias no aeroporto.
 
Os “travellers cheques” não são aceites nem as notas de "Euros" a não ser excepcionalmente e sempre com câmbio desfavorável. As notas de dólares norte-americanos são utilizadas com frequência para pagamentos.
 
 
Regime de entrada e de estada
 
Regime de vistos
 
No dia 1 de Novembro de 2007 entrou em vigor o novo regime jurídico de entrada e saída de estrangeiros em Angola (Lei n° 2/2007, de 31 de Agosto - vide http://www.consuladogeral-angola.pt/) sobre cujo conteúdo, e previamente à viagem, se deverá inteirar junto das autoridades diplomáticas e consulares angolanas, em Portugal (http://www.embaixadadeangola.pt; http://www.consuladogeral-angola.pt; http://consuladogeralangola-porto.pt;
http://www.consuladogeralangola-faro.pt). Ao abrigo daquela legislação foram abolidos os vistos de saída.
 
O passaporte deve ser válido, pelo menos, pelo período de 6 meses, a contar da data de entrada em Angola.
 
Antes de viajar, deverá obter um visto válido ou autorização de trabalho, sob pena de, não sendo detentor de um daqueles, ser-lhe recusada a entrada no país, dado que não são concedidos vistos à chegada.
 
A permanência para além da validade do visto acarreta o pagamento de uma multa diária no valor de 150 USD. A sujeição à multa ocorre numa grande multiplicidade de casos, como por exemplo: trabalhar, estudar ou residir mas não ser detentor do visto adequado a uma destas situações; mudar de emprego sem notificar as autoridades; empregar pessoas com vistos inadequados; não renovar cartões de residência; e mudar de endereço sem a prévia notificação das autoridades.
 
 
Condições de segurança
 
Desde o fim do conflito armado, em 2002 que a situação de segurança melhorou consideravelmente. Ainda assim, deve adoptar-se uma atitude de prudência e atenção nas deslocações, designadamente terrestres, que podem comportar alguns perigos.
 
Fora das áreas urbanas, as minas e engenhos explosivos por detonar, continuam a ser uma questão a ter em conta em regiões recônditas do interior, fora da principal rede de estradas. Recomenda-se que não se toque em nada que se possa assemelhar a uma mina ou a engenhos que não tenham sido detonados e que as deslocações sejam feitas nas vias rodoviárias indicadas como seguras.
 
O crime constitui um problema grave em Luanda. Ainda que a maior partedos crimes violentos tenham como agentes e vítimas angolanos, registam-se actos de violência contra estrangeiros.
 
Os crimes de rua, incluindo assaltos com arma de fogo, têm crescido de forma sensível em Luanda, nomeadamente nas saídas de restaurantes e discotecas na Ilha do Cabo. Devem evitar-se praças, mercados e locais em que se encontrem aglomerados de pessoas, bem como passeios pedestres, especialmente após o anoitecer, assim como usar jóias ou relógios de valor. Embora o crime seja menor nas outras principais cidades angolanas, as mesmas precauções devem ser mantidas.
 
Outras informações importantes
 
A questão mais frequente que, no decurso dos últimos anos, levou os cidadãos portugueses a solicitar assistência consular está relacionada com perda ou extravio de documentos de identificação e de viagem. Neste contexto, é aconselhável ser portador de várias cópias certificadas dos documentos de identificação (BI ou cartão do cidadão) e de viagem (passaporte e correspondente visto).
 
Aconselham-se ainda algumas precauções, designadamente, depositar nos locais de alojamento bens e dinheiro, e trazer consigo, para efeitos de identificação, cópias certificadas dos documentos de identificação e viagem (cópia da página dos dados biográficos do passaporte e competente visto), guardando os originais também em local seguro.  
 
Legislação e costumes/tradições locais 
 
Embora a lei já não o proíba expressamente, evite tirar fotografias ou utilizar binóculos e mapas junto de edifícios governamentais, instalações militares ou de segurança. Recomenda-se, em geral, prudência na utilização de máquinas fotográficas nas ruas e não fotografar pessoas sem a respectiva autorização. Tome nota que elementos de etnias locais costumam passear no Lubango e aceitam ser fotografados, mas apenas contra pagamento em dinheiro. O tráfico e o consumo de drogas constituem crimes e são punidos de forma severa. As condições das esquadras de polícia e dos estabelecimentos prisionais são muito precárias.
 
Números de telefone úteis em Angola:
 
- Polícia: 113;
- Bombeiros: 115;
- Serviço de ambulâncias: 112.
 
Inscrição consular
 
Assim que chegar a Angola procure efectuar a sua inscrição consular de modo a poder ser-lhe prestada assistência consular. São necessários, para o efeito, fotocópia e original do B.I. (ou cartão do cidadão) e do Passaporte válidos. A inscrição é gratuita e presencial mas é indispensável facultar duas fotografias a cores para a eventual emissão do cartão consular que custa 1270 Kwanzas (9,60€) à data da publicação.
 
 
Transportes
 
Transporte aéreo
 
Aeroportos internacionais: Luanda e Lubango. 
A TAP tem voos directos diários entre Lisboa e Luanda.
A TAAG é a única companhia angolana que voa para destinos internacionais, incluindo Lisboa e Porto.
Realizam também voos de ligação de e para Luanda, entre outras, a Air France, a Air Namibia, a Brussels Airlines, a Emirates Airlines, a Ibéria, a KLM, a Lufthansa, a Royal Air Maroc e a South African Airways.  A TAAG e a Air Namibia voam também entre Lubango e Windhoek na Namíbia. 
 
Os voos de e para Angola estão frequentemente sobrelotados. É por isso aconselhável contactar a companhia aérea que o viajante utilize para a reconfirmação prévia do voo e a realização atempada do check-in.
 
As viagens domésticas podem ser realizadas por via aérea. As companhias internas são a Sonair, a TAAG, a Air 26 e a Fly 540.
 
Transporte rodoviário
 
Desde 2010 há táxis nos aeroportos e nas principais cidades. Sugere-se precaução na utilização de táxis, verificando que o taxímetro está ligado e pedindo uma estimativa inicial quanto ao preço da corrida. Não hesite em regatear. 
 
Evite os mini-autocarros conhecidos como "candongueiros", frequentemente em mau estado e cujos condutores guiam, geralmente, de modo irresponsável e temerário. Os viajantes são, assim, aconselhados a assegurar, previamente à sua deslocação, o respectivo acolhimento à chegada ao aeroporto e um transporte para o seu destino que ofereça garantias de segurança.
 
As infra-estruturas rodoviárias que ligam Luanda ao interior do país têm vindo a melhorar. Assim, é possível viajar integralmente por asfalto entre Luanda e Malange, Luanda e Benguela, Cuíto e Huambo (e entre estas e Benguela / Lobito), e Lubango e Namibe. Entre Luanda e o Zaire, Malange e as Lundas e Moxico, Benguela e Lubango, e Lubango e Huambo as estradas estão asfaltadas na quase totalidade. 
 
O trânsito em Luanda é compacto e caótico.
 
Embora seja relativamente seguro viajar durante o dia, é aconselhável manter trancadas as portas dos carros, as janelas completamente fechadas, manter os volumes transportados fora do alcance da visão exterior, bem como evitar a utilização do telemóvel e computadores pessoais na rua.
 
No interior da Província de Cabinda, não se aconselha a realização de visitas que não sejam apenas e tão-só as estritamente necessárias, tendo em conta a existência de alguma instabilidade e delinquência naquela província.
 
Cartas de condução
 
Transitória e reciprocamente, até à entrada em vigor do Acordo celebrado entre Portugal e Angola sobre esta matéria (publicado pelo Decreto nº 48/2008, de 17 de Outubro), cujos procedimentos formais de aprovação interna estão em fase de finalização, o titular de uma carta de condução portuguesa ou angolana poderá conduzir no outro pais, pelo período de 180 dias. Findo este prazo, deverá proceder à troca do título de condução junto das competentes autoridades que tutelam esta área: em Angola, a Direcção Nacional de Viação e Trânsito.
 
Segurança rodoviária
 
Os padrões de condução e as condições de certas vias rodoviárias são ainda débeis, pelo que é aconselhável, fora das grandes cidades, a deslocação com viaturas de tracção integral. Os níveis de sinistralidade rodoviária são elevados, pelo que se aconselham as maiores precauções ao circular em Angola. Planeie as suas viagens de forma a viajar sem pressas, informando-se antecipadamente sobre a localização e a qualidade dos postos de abastecimento de combustível existentes no caminho. É aconselhável, dada a grande extensão de troços rodoviários sem qualquer apoio de emergência, efectuar viagens inter-provinciais em companhia de uma segunda viatura.
 
As estradas apresentam condições de viabilidade precárias, apresentando deficiências de sinalização, mesmo nalgumas remodeladas recentemente.
 
São poucos os cruzamentos nas cidades que dispõem de semáforos ou de um agente da polícia a orientar o tráfego. Por outro lado, os próprios condutores desrespeitam, com frequência, as regras e sinais de trânsito. Acresce que muitos condutores não têm carta de condução. São pois muito frequentes os acidentes e os processos consequentes podem ser morosos e arbitrários. Acresce ainda, como factor de risco na condução, o facto de circularem nas estradas e por entre o trânsito vendedores itinerantes, motociclistas e peões que colocam em perigo a sua própria vida e a dos condutores. Note-se, por último, que o atropelamento mortal implica a imediata detenção do condutor e que se este constatar animosidade entre a população, deve imediatamente dirigir-se à esquadra de polícia mais próxima.
 
Não é recomendável viajar nas estradas depois do anoitecer, atendendo ao elevado número de viaturas com avarias nos sistemas de luzes, aos numerosos peões que circulam ao longo das vias sem reflectores, à debilidade do sistema de emergência médica, à falta de rede de telemóveis em diversos locais e à embriaguez de muitos condutores.
 
Por todos os motivos enunciados, recomenda-se o recurso a viaturas conduzidas por pessoas experientes, de preferência motoristas contratados para o efeito.
 
Limites de velocidade permitidos
 
Os limites genéricos de velocidade são semelhantes aos portugueses. É importante ter muita atenção com a sinalização rodoviária. A Polícia Nacional tem vários equipamentos de radar activos. 
 
Transporte ferroviário
 
Nos últimos anos foram recuperados troços importantes das linhas de Malange (Luanda-Malange), Benguela (Lobito-Luau) e Moçâmedes (Namibe-Menongue). Os comboios são, porém, lentos e escassos, pelo que não constituem, por ora, uma alternativa ao transporte de passageiros de longo curso.
 
 
Alojamento
 
O alojamento hoteleiro em Angola, e particularmente em Luanda, foi alvo de grande desenvolvimento nos últimos três anos, verificando-se actualmente uma oferta de camas significativa, com alguma diversidade na relação preço/qualidade que já possibilita ao viajante uma escolha mais confortável, prevendo-se ainda, a curto prazo, um aumento desta capacidade com a inauguração de outras unidades hoteleiras.
 
Dada a diversidade da sua localização, características e preços, aconselha-se, no entanto, uma reserva prévia.
 
Nas províncias a oferta tem vindo a melhorar, sendo de assinalar as capacidades hoteleiras das cidades de Lubango e Benguela / Lobito. As cidades do Huambo, Malanje e Sumbe também já disponibilizam oferta hoteleira. O site http://hoteisangola.com possui informações úteis.
 
Aconselham-se, entre outras, as seguintes unidades hoteleiras:
 
Luanda
- Hotel Epic Sana: R. da Missão, Luanda – Tel. (00244) 222642600 / 222642700 / 222642800 – Fax (00244) 222642601 – correio electrónico: info.luanda@epic.sanahotels.com – sítio Internet: www.luanda.epic.sanahotels.com;
- Hotel Skyna: Av. Portugal 29 (a 100 metros, das Embaixadas de Portugal e de França), Luanda – Tel. (00244) 222670900 - Fax (00244) 222670999 – correio electrónico: reservas@skynahotel.com – sítio Internet: www.skynahotel.com;
- Hotel Trópico: R da Missão 103, Luanda - Tel. (00244) 222330070 - Fax (00244) 222391798 – correio eletrónico: tropico@htropico.com – sítio Internet: www.tdhotels.com/tropico/pt;
- Hotel Alvalade: Av. Comandante Gika, Alvalade, Luanda - Tel. (00244) 222620600 - Fax (00244) 222620666 – correio electrónico: reservas@halvalade.com – sítio Internet: www.tdhotels.com/alvalade/pt;
- Hotel Baía: Av. Dr. Agostinho Neto, Luanda – Tel. (00244) 222652980 - Fax (00244) 222391798 – correio electrónico: reservas@hbaia.com – sítio Internet: www.tdhotels.com/baia/pt;
- Hotel Presidente: Largo 4 de Fevereiro, BP 5791, Luanda – Tel. (00244) 222311717 – Fax (00244) 222310607 – correio electrónico: geral@hotelpresidente.co.ao – sítio Internet: www.hotelpresidenteluanda.com;
- Hotel Vila Alice: Rua Aníbal de Melo, Bairro da Vila Alice, Luanda – Tel. (00244) 934530560 / 934530560 / 934530561 – Fax (00244) 222440824 – correio electrónico: reservasvilaalice@hotmail.com – sítio Internet: www.hotelvilaalice.com/hotel.php;
- Hotel Continental: Rua Rainha Ginga, 18/21, Coqueiros, Luanda – Tel. (00244) 222334241 / 222334242 – correio electrónico: hotelcontinental@netangola.com – sítio Internet: www.hotelcontinentalluanda.com;
- Hotel Ilha Mar: Av. Murtala Mohamed, Ilha do Cabo; Luanda – Tel. (00244) 938814026 / 222309603 – correio electrónico: direccao.ilhamar@gmail.com – sítio Internet: www.hotelilhamar.com;
- Hotel Praia Mar: Av. Murtala Mohamed, 50, Ilha do Cabo, Luanda – Tel. (00244) 222309138 / 222309541 / 222309605 / 222309845 – Fax (00244) 222309462 – sítio Internet: www.hotelopia.pt/h/hotel-praia-mar_luanda_141206;
- Aparthotel Tropicana: Av. Comandante Valódia 117; Luanda – Tel. (00244) 226420700 / 930340783 – Fax (00244) 226420799 – correio electrónico: reservas@aparthoteltropicana.com – sítio Internet: www.aparthoteltropicana.com;
- Executive Hotel Samba: Rua da Samba s/n, Estrada da Samba, Luanda – Tel. (00244) 914783909 - sítio Internet www.executivehotelsamba.com;
- HCTA - Hotel de Convenções de Talatona: CCB4 GU02, Luanda Sul, Talatona - Tel. (00244) 226424300 - Fax (00244) 226424301 – correio electrónico: info@hoteltalatona.com – sítio Internet: www.hoteltalatona.com;
- Hotel Victoria Garden: Via Expresso, Camama, Luanda Sul – Tel. (00244) 222210064 / 222210065 / 917002249 – correio electrónico: hotelvictoriagarden@gmail.com; sítio Internet: www.angolaglobal.net/alojamento/Hotel-Ritz-Victoria-Garden/1214.
 
Benguela
- Hotel Praia Morena: Rua José Estevan 25, Benguela - Tel. (00244) 272237125 – Sítio Internet: www.hotelpraiamorena.com
- Aparthotel 1000 Cidades: Av. Aires Almeida Santos 96, Benguela - Tel. (00244) 272230029 - Fax (00244) 272230040;
- Hotel Luso: Av. Aires Almeida Santos, Benguela – Tel. (00244) 272231261;
- Hotel M’ombaka: Rua Monsenhor Keiling, Benguela – Tel. (00244) 272238063 – Fax (00244) 272232682;
- Lodge Chimalavera: km 22, Estrada do Dombe Grande, Baía Farta;
- Hotel Duas Faces: Baía Azul (a cerca de 20 km de Benguela);
- Lodge Kapembawé: Talamajamba, Estrada para Catengue (a cerca de 30 km de Benguela);
 
Lobito
- Hotel Términus: Rua Robert Williams (Restinga) 16, Lobito - Tel. (00244) 272225871 / 935684387 – Fax (00244) 272223530 – sítio Internet: www.hotelterminuslobito.com;
- Hotel Restinga: Av. da Independência, Lobito – sítio Internet: www.hotelrestinga.com;
- Hotel O Navegante: Rua 25 de Abril, Lobito – Tel. (00244) 272224481 – correio electrónico: beng@netangola.com;
- Hotel Tropicana Lobito: Av. Craveiro Lopes 44, Lobito – sítio Internet: hoteltropicanalobito.com;
- Complexo TGV: Avenida do Brasil 126, Lobito;
- Hotel Chik Chik I: Zona comercial, vulgo “bairro do 28”, Lobito;
- Hotel Chik Chik II: Rua 15 de Agosto 86 (Restinga), Lobito;
- Uami Guest House: Rua José Anchieta 41 r/c (Compão), Lobito;
 
Lubango
- Casper Lodge: Senhora do Monte, Lubango - Tel. (00244) 261225015 – sítio Internet: www.casperlodge.com;
- Pululukwa Resort: Mapunda (estrada para a Tundavala), Lubango - Tel. (00244) 261222338;
- Grande Hotel da Huíla: Av. Dr. Agostinho Neto 100, Lubango -  Tel. (00244) 261220512; correio electrónico: grandehotelhuila@yahoo.com.br;
- Hotel Lubango: Rua Aníbal Melo, Bairro Comercial, Lubango – Tel. (00244) 261220806;
- Hotel Vip Huila: Bairro Comandante Cow Boy, Lubango;
- Hotel Kimbo do Soba: Senhora do Monte, Lubango – Tel. (00244) 937506389;
- Lodge Palanca Negra: Comuna da Palanca, Humpata, a 15 km do Lubango na direcção do Namibe – Tel. (00244) 924147655;
 
Huambo
- Hotel Ekuikui I: Rua Torres Garcia, Cidade Alta, Huambo;
- Hotel Roma Ritz: Rua da Independência, Cidade Baixa, Huambo;
- Residencial Planalto: Rua L, Zona da Feira, Cidade Alta, Huambo;
 
Cuanza Sul
- Hotel Ritz Sumbe: Av. 4 de Fevereiro (Marginal), Sumbe – Tel. (00244) 236230447;
-Hotel Aanisa Ritz: Av. 11 de Novembro, Calulo;
- Pousada do Engelo: Cubira II, Conda;
- Hotel Kuendale: R Lucrécia Paim, Gabela – Tel. (00244) 236230234.
 
Cortes no fornecimento de água e electricidade
 
A água e a electricidade são objecto de cortes frequentes, sem aviso prévio, em todas as cidades. É, por isso recomendável o recurso a gerador e a manutenção de stocks de água e combustível.
 
 
Cuidados de saúde
 
Os cuidados médicos para situações de emergência delicadas estão limitados às cidades de Luanda e Benguela, onde existem algumas clínicas privadas, que dispõem de um serviço de 24h e médicos especialistas. Os preços são elevados e devem ser pagos antecipadamente. Há registo recente de diagnósticos dolosos visando manter os pacientes internados e cobrar diárias avultadas, pelo que, sempre que possível, é recomendável procurar uma segunda opinião médica. A seguir se indicam algumas dessas instituições médicas:
 
- Clínica Sagrada Esperança: Av. Mortala Mohamed, Ilha do Cabo, Luanda – (00244) 222309688 / 912501348 / 923416634 / 912501349 / 923416634 / 923416635 / 923416636 / 222309034 / 222309060 / 222309688 / 222309361 / 222309029 / (emergências 222309204) – Fax (00244) 222309033 – correio electrónico: sagradaesp@ebonet.net;
- Clínica Girassol: Av. Revolução de Outubro, Mártires do Kifangondo, Luanda - Tel (00244) 226698000 / 226698415 – sítio Internet: www.clinicagirassol.co.ao;
- Cligest: Rua Albano Machado, nº 29/31, Luanda – Tel. (00244) 222371105 / 222371098 / 222371105 / 222371233 / 222371335 – Fax (00244) 222371516 – correio electrónico: cligest@cligest.com – sítio Internet: www.cligest.com;
- Clínica Clidopa: Rua Rainha Ginga, 98/106, Luanda – Tel. (00244) 222390465 / 222391488 / 222391587 / 222371585 – Fax (00244) 222332933 / 222390465 – correio electrónico: clidopa@snet.co.ao;
- Clínica Alvalade: Rua Emilio M´Bidi, Luanda – Tel. (00244) 222323540 / 222325862 / 222326003 / 222326021 / 222326521 / 222326490 / 222325330 / 222324757 – Fax (00244) 222323753 – correios electrónicos: admin@cpalvalade.com (administração) / mfraga@cpalvalade.com (facturação) / pferreira@cpalvalade.com (tesouraria).
 
Fora de Luanda poderá recorrer, para uma primeira fase de tratamento, a 
 
Benguela
- Acáciamed - Clínica São Filipe: Rua Cidade de Malanje; Benguela - Tel. (00244) 272231331 / 27230205 – sítio Internet: www.cse-ao.com;
- Centro Médico de Especialidades e Diagnóstico: Rua de Angola, 7, Benguela – Tel. (00244) 27233234;
 
Lobito
- Casa de Saúde “Medicrisal”: Rua 15 de Agosto, 46, 1º Dtº, Zona Comercial, Lobito – Tel. (00244) 272224138 / 925638051 – correio electrónico: clínica.medicrisal@gmail.com;
 
Huambo
- Hospital Central
 
Lubango
- Clínica Danfran: Rua Pinheiro Chagas, 55-57, Bairro Comercial, Lubango – Tel. (00244) 261224846 – Fax (00244) 261225497 – correio electrónico: clinicadanfran2@hotmail.com;
- Clínica Medical Nádya: Rua Comendador Hamilton Lopes (ao lado do Centro de Emprego), Bairro Lucrécia, Lubango – Tel. (00244) 261223194 – Fax (00244) 261224916.
 
De referir ainda o Centro de Informação de Medicamentos e Toxicologia que dispõe de especialistas que prestam informação durante as 24h do dia sobre medicamentos, praguicidas, drogas, produtos químicos industriais e domésticos, plantas tóxicas e animais venenosos:
- Telefones: (00244) 251235531 / 2 / 3 / 4;
- telemóveis: (00244) 912225301 / 912225304 / 943002006 / 947912190;
- endereço de correio eletrónico: fmm.cimetox_malanje@hotmail.com;
- Facebook: http://facebook.com/cimetox.centrodetoxicologia.
 
Nas principais cidades encontram-se farmácias modernas e com os principais medicamentos que também se encontram à venda em Portugal. Os preços são no entanto muito elevados, pelo que se aconselha que viaje com os seus medicamentos usuais e os que lhe forem aconselhados na Consulta do viajante. Evite farmácias não legalizadas que podem vender medicamentos de origem duvidosa e comprar fármacos desconhecidos.
 
A seguir se indicam algumas farmácias:
 
Luanda:
- Novassol: Avenida de Portugal, Luanda - Tel. (00244) 222391502;
- Alpega: Largo do Kinaxixi 16, Luanda – Tel. (00244) 222342980;
- Tropical: Rua Pedro Felix Machado 16, Luanda – Tel. (00244) 222334862;
- Alvalade: Av. Comandante Jika – Tel. (00244) 222322088;
- Central: Av. Comandante Che-Guevara, Luanda – Tel. (00244) 222322442;
 
Benguela:
- Farmácia Nova: Rua Comandante Kassange 154, Benguela – Tel. (00244) 272232084;
- Farmácia Lusitana: Rua Comandante Kassange 55, Benguela - Tel. (00244) 272232172;
 
Lobito:
- Farmácia Restinga: Rua Tomás Vieira Cruz, Lobito - Tel. (00244) 272226528;
 
Lubango:
- Farmácia Cinus: Av. Deolinda Rodrigues 136, Lubango - Tel. (00244) 261225214;
- Farmácia Dénica: Bairro Comercial, Lubango - Tel. (00244) 261223886.
 
Angola integra uma zona endémica de malária, hepatite A e B e poliomielite, assim como são frequentes surtos de cólera, pelo que é de extrema conveniência proceder à vacinação ou à sua actualização.
 
Aconselha-se ainda o visitante a estar particularmente atento às condições alimentares e de higiene, nomeadamente à alimentação adquirida nos mercados informais. No que respeita à água deverá apenas beber ou utilizar água engarrafada ou fervida e tratada e evitar a utilização de gelo nas bebidas. E, no caso de vir a sofrer de diarreia, é aconselhável procurar imediatamente um médico.
 
Previamente à realização da viagem, deverá efectuar a consulta de aconselhamento ao viajante, assim como certificar-se de que tem em dia todas as vacinas indispensáveis à permanência em Angola. É obrigatório ser portador do certificado de vacinação internacional contra a febre-amarela para poder entrar em território angolano. Para esse efeito aconselhamos a consulta do site: www.ihmt.unl.pt.
 
Antes da viagem, aconselha-se ainda a realização de um seguro de saúde que inclua a repatriação médica por avião hospital.
 
Consulta de aconselhamento ao viajante:
- horário: dias úteis das 9H30 às 19H00. Encerra entre as 14H00 e as 15H00. Marcação:
- Tel. (00351) 213652600 (geral) ou 213652630 (directo);
- por correio electrónico: medicina.viagens@ihmt.unl.pt;
- no local: Instituto de Higiene e Medicina Tropical. Rua da Junqueira 100, 1349-008 Lisboa; quando marcar, não se esqueça de indicar o seu nome, contacto telefónico directo, destino e data da viagem, e a data pretendida para a consulta;
- horário do serviço de vacinação: dias úteis das 11H00 às 14H00 e das 15H30 às 17H30, sem necessidade de marcação prévia.
 
Para outras informações ao viajante, poderá também consultar o site da OMS: www.who.int/en.
 
 
Telecomunicações
 
Existem comunicações telefónicas, através da rede fixa, na capital e em grande parte das capitais provinciais. Operam igualmente duas redes telefónicas móveis, uma pública (Movicel) e outra privada (Unitel), cobrindo ambas as áreas das principais capitais de província. O sistema “roaming”´ funciona, através da rede Unitel que utiliza sistema europeu.
 
 
Informações úteis
 
A Embaixada de Portugal em Luanda, o Consulado Geral de Portugal em Luanda, a AICEP (Agencia para o Investimento e Comércio Externo) e o Centro Cultural encontram-se instalados no mesmo edifício:
- endereço: Avenida de Portugal nº 50, em Luanda;
- Telefone do Consulado Geral: (00244) 222333435;
- sítios Internet: http://www.embaixadadeportugal-luanda.com.pt (Embaixada) e http://www.cgportugalemluanda.com (Consulado Geral).
 
Consulado Geral de Portugal em Benguela:
- endereço: Largo do Pioneiro, 21;
- Tel. 00244 272232462.
 
O Consulado Geral em Luanda trata dos assuntos consulares relativos às províncias de Bengo, Cabinda, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Luanda, Lunda Norte, Lunda Sul, Malange, Uíge e Zaire.
 
O Consulado Geral de Portugal em Benguela trata dos assuntos consulares relativos às províncias de Benguela, Bié, Cuando Cubango, Cunene, Huambo, Huíla, Moxico e Namibe.
 
Endereços das representações consulares portuguesas (postos e secções consulares) no estrangeiro:http://www.secomunidades.pt/
 
Endereços das representações estrangeiras (diplomáticas e consulares) em Portugal:  http://www.mne.gov.pt/mne/pt/ministerio/CorpoDiplomatico/
 
 

|   Accessibilidade   |   Avisos Legais   |   DGACCP 2007 @ Todos os direitos reservados. |   Projecto co-financiado por:   POS-C(Programa Operacional Sociedade do Conhecimento)     União Europeia FEDER/FDE